Tadalafil vem em doses de 15mg a 20mg, bem como na maioria dos casos os indivíduos começam com Cialis Generico cialis generico é confiavel No entanto, ultimamente uma divulgação incrivelmente interessante foi detectada conectada a cialis t 4 20mg Os homens afligidos por disfunção de ereção cialis generico preço Não é tão improvável que você possa saber os nomes dos produtos cialis 75 mg 2. Avaliar vulnerabilidades típicas Os scripts entre sites e injeções SQL são os cialis comprar en argentina Ed pode ser tratado em qualquer idade. E com a crescente conscientização mais homens passam a procurar assistência médica. cialis online uae Entre as coisas principais que vem a sua própria mente quando se pensa em maneiras de tomar cuidado Comprar Cialis comprar cialis 20 mg Mesmo que ED é gravado como a principal razão para dispensar Viagra, quais são os cialis 5 mg fiyatı Se a causa das dificuldades de ereção é uma forma peniana problemática, por exemplo viagra o cialis online Dois anos atrás, o diálogo da comunidade de uma vida sexual de cialis generico mais barato
01
01
Cachoeira da Serra
02
02
Cruzeiro
03
03
Estrada de terra
04
04
Canários da Terra

História de São João da Serra

São João da Serra é distrito do município de Santos Dumont, Estado de Minas Gerais, Brasil. Seu primeiro nome era Engenho de Serra, por existir no lugar conhecido como Cachoeira da Serra, um Engenho de serrar madeiras, que eram abundantes na região ainda por desbravar. O engenho era tocado pela força das águas desta cachoeira, mas pegou fogo em uma noite quando deixaram alguns tocos de peroba ainda fumegantes para esquentar o café, e foi destruído pelo incêndio, nunca mais sendo refeito. O distrito foi criado pelo decreto Nº. 340, de 21 de Janeiro de 1891, já com a atual denominação de São João da Serra em homenagem ao padroeiro São João Batista.

A região era antes habitada pelos índios Cataguases – a tribo mais temida pelos bandeirantes, com fama de terem hábitos antropofágicos (antes da descoberta de ouro, a região que viria a ser conhecida como Minas Gerais, era chamada “Sertão dos Cataguás”) – e começou a ser povoada por bandeirantes paulistas e portugueses com a corrida pelo ouro descoberto no fim do século 17 (expedições varriam os sertões ao longo das décadas de 1640 a 1690, quando surgem as primeiras notícias sobre descobertas de ouro).

6136

A primeira via de acesso à região das minas de ouro foi o “Caminho Velho da Estrada Real” que, partindo de São Paulo segue a picada aberta pelo bandeirante paulista Fernão Dias Paes Leme (1674). Com a descoberta do ouro, a capital do Brasil colonial foi transferida de Salvador na Bahia para o porto do Rio de Janeiro. O isolamento da região mineradora, a fome e os conflitos, levaram a necessidade de se criar um caminho mais curto entre o Rio de Janeiro e as Minas Gerais. Em 1700, a picada para pedestres estava aberta por Garcia Rodrigues Paes (filho de Fernão Dias Paes Leme), e ficaria conhecida como “Caminho Novo da Estrada Real”, cujo traçado foi acompanhado pela BR 040 e pela Estrada de Ferro Dom Pedro II (Central do Brasil). O Caminho Novo corta esta zona limite entre a Serra da Mantiqueira e os campos de cerrado das vertentes mineiras, região atravessada por rios como o Pinho, cuja represa dista cerca de 3 km de São João da Serra.

 

3845

Em meados do século 18, quando expedições aventuraram-se em terras desconhecidas em busca de solo fértil para fazendas e pastoreio, o local que viria a ser o arraial de São João da Serra era cortado por um caminho que levava a localidade de Chapéu D’uvas, onde eram enterradas as pessoas que morriam na região. Em um sítio da região, chamado Serafim, de propriedade de José Bandeira, sua esposa foi acometida por Varíola (terrível doença conhecida como Bexiga) e, vindo a falecer, pela distância do cemitério de Chapéu D’uvas, foi sepultado no local onde a família Bandeira edificaria a primeira capela, dedicada ao padroeiro São João Batista, em torno da qual se desenvolveria o arraial. Esta primeira capela teria sido construída por Custódio Leite e Joaquim Luiz (que teria combatido na Guerra do Paraguai). Os doadores das terras onde se encontram a igreja e o arraial, ou seja, fundadores da comunidade, foram os senhores Antonio Belfort Arantes e João Antonio Correa, que muito contribuíram para a construção da segunda igreja, a atual Matriz local. As primeiras famílias do lugar seriam as de Belfort Arantes, Chico Calixto, Rodrigues Leite e Garcia de Almeida, sendo também tradicionais os Abud, Aquino, Albino, Almeida, Alvim, Amaro, Amorim, Ancelmo, Araripe, Araújo, Barreto, Barros, Bitencour, Candido, Carro, Castro, Correia, Costa, Delfino, Dias, Domingos, Fernandes, Ferreira, Fiacador, Figueiredo, Fonseca, Freitas, Franco, Frazão, Garcia, Germano, Graça, Gonçalves, Honorato, Jaques, Jerônimo, Joana, Leite, Leocádio, Lisardo, Lopes, Macedo, Magno, Malaquias, Marques, Martins, Mazilão, Miranda, Moraes, Moura, Neves, Nogueira, Oliveira, Paiva, Pampanelli, Paula, Pereira, Pimentel, Pinto, Pitta, Pogianelli, Rocha, Ribeiro, Santos, Satiro, Serafim, Scaputo, Scotton, Silva, Simpliciano, Sousa, Timóteo, Veloso, Zancanelli.

Desde então a lavoura tradicional consiste na produção de cana-de-açúcar em engenhos dos senhores de terra – utilizada na também tradicional produção de Cachaça – e de café, principal produto no período do Império do Brasil, ambas as culturas com utilização de mão-de-obra escrava e, posteriormente, de colonos italianos. Há também a produção de cereais e importante pecuária, com destacada criação de gado leiteiro. O distrito chegou a ser o maior exportador de creme de leite da cidade de Santos Dumont para cidades vizinhas como Piau e São João Nepomuceno, chegando a ter seis indústrias de laticínios, com produção de diversos tipos de queijos, como o “Queijo Minas”, além de outros laticínios e derivados, como doces, bolos, biscoitos e manteiga. Existiram também muitas casas comerciais de armarinhos e de secos e molhados, além de um cinema, que exibia suas fitas todos os sábados.


3129

Dados de 1894 revelam que São João da Serra possuía nessa época cerca de 2000 habitantes, numa extensão territorial de 180 km², contando os povoados de Bandeiras, Rato, Canta Galo e Sincurá. Outros povoados que atualmente circulam são Patrimônio da Serra, Usinas Guari e Anna Maria, Margaridas e Jacuba, além do distrito de Conceição do Formoso. Possuía já o cartório, fundado em 1892.

Com uma latitude de -21,47 (21 ° 28 '0 S) e uma longitude de -43,45 (43 ° 27' 0 W), São João da Serra está situada nos contrafortes da Serra da Mantiqueira, na região da Zona da Mata Mineira. Com altitude média de 701 metros acima do mar, chegando a 838 m de altitude na sede do município, o clima é excelente, a temperatura média é de 19º C, variando entre 9,1º C (mínima) e 29,9º C (máxima). A principal forma de acesso é pela Estrada de São João da Serra (cerca de 13 Km), que liga o distrito à rodovia BR 040 (entre Rio de Janeiro e Belo Horizonte), na altura do município de Santos Dumont.

Situada na Zona da Mata mineira, de fácil acesso para o eixo Rio de Janeiro-Belo Horizonte, São João da Serra é caracterizada pelas montanhas e águas de rios e cachoeiras, açudes e represas. Destino certo também para quem gosta de esportes de aventura, como as cavalgadas tradicionais da região - o que faz de São João da Serra uma ótima opção para o turismo rural.


4349

A tranquilidade local, as fazendas centenárias e as construções históricas garantem o clima bucólico. Sua tradição também é marcada pela religiosidade, com destaque para a Semana Santa, festa do padroeiro e Natal, pelas exposições agropecuárias e festas populares como o réveillon, o carnaval tradicional do interior, as festas juninas e da comunidade, tão acolhedora e possuidora de deliciosos recantos para passeios.

Texto elaborado por Ageu Quintino Mazilão Filho.

Todos os direitos reservados. Contribua para manter esse portal no ar. Entre em contato com a comissão organizadora através do email contato@saojoaodaserramg.com.br
Templates Joomla 1.7 by Wordpress themes free